quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Bicho de Sete Cabeças "Canto dos Malditos"



O filme, Bicho de Sete Cabeças, é baseado na autobiografia de Austregésilo Carrano Bueno, “Cantos dos Malditos”. A versão cinematografica do livro é considerada um dos filmes mais premiados do Brasil.

O livro causou polêmica entre os médicos pisiquiatras que cuidava do autor quanto ele estava internado, a família dos médicos moveu uma ação contra Bueno, tirando seus livros de circulação.
Em 2001 foi lançado o filme Bicho de Sete Cabeças e apesar de não ter grande bilheteria, ficou aproximadamente sete semanas em cartaz, recebeu várias premiações pelo brasil e pelo mundo como o de melhor filme e malhor diretor no Premio Qualidade Brasil em 2001; melhor filme no 3º Festival de Brasília de 2000; melhor direção (Laís Bodanzky) no 5º Festival do Recife em 2001; melhor ator (Rodrigo Santoro) no Festival de Santo Domingo (República Dominicana) em 2001; e Melhor filme (prêmio Soleil D'Or) no Festival de Cinema de Biarritz 2001 (França).
O filme que tem como elenco Rodrigo Santoro como Neto, Othon Bastos como Wilson (pai de Neto), Cássia Kiss, mãe de Neto, Caco Ciocler interpretando o interno Rogério, entre outros. O custo do filme foi de R$ 1,5 milhão (U$ 700 mil), segundo o site do filme, bichodesetecabeças.com. Teve co-operação do ministério da cultura, investiu em 50% do custo do filme, e os outros 50% foi de investimento europeu.
Dirigido por Laís Bodansky, que fazia sua estréia em direção de cinema, e com roteiro de Luiz Bolognesi, inspirado também pelo livro de Kafka, Carta ao Pai, o filme conta a história de Neto, um jovem estudante de segundo grau que por dificuldade de comunicação com os pais acaba vivenciando a violência do sistema de saúde mental brasileiro. Em algumas partes o filme se aproxima de um documentário, causando sensação um acontecimento cotidiano.

SinopseNeto (Rodrigo Santoro), um jovem estudante que não consegue se entender com os pais (Othon Bastos e Cássia Kiss), acaba vivenciando a violência do sistema de saúde mental brasileiro. Uma tragédia doméstica sobre a intolerância e incomunicabilidade dentro de uma família e sobre o uso do sistema manicomial para vigiar e punir os pequenos desvios de conduta que não são infrações legais mas não se encaixam nos valores da sociedade. Inspirado no livro Canto dos Malditos, de Austregésilo.
Fonte: http://br.cinema.yahoo.com/dvd/filme/9250/bichodesetecabecas
TRAILER

4 comentários:

tatuagem disse...

Eu amei este filme.
Bicho de sete cabeças realmente é um filme emocionante, e a atuação de Rodrigo Santoro é magnífica.

Sobre o comentário em meu blog, Julia Gnuse com toda certeza é um exemplo de extremismo, caso que acaba por mudar o conceito de beleza ligado a tatuagem para se tornar bizarro.

beijo,
e volte sempre!

Yasmin disse...

assisti esse filme e gostei bastante
um filme muito interessante.. ameiii mesmo
a situação ainda é melhor porque ainda tem Rodrigo Santoro né?
perfeitooo
bom mesmo, mas eu nem sabia que tambem tinha o livro..
muito interessante..
deve ser muito bom tambem..
beijos

Anônimo disse...

faco enfermagem e esse filme relata a vidas de pacientes psiquiatricos como ela e realmente, esse filme trás a realidade vivida por pessoas que se rendem a a cuidados de pessoas nao capacitada e uma vida limitada ao pai que fez um bicho de sete cabecas e acabou deixando o filho louco.....

Eduardo Leite disse...

Eu passei por algo parecido..
Eu fumo maconha desde meus 16 anos, com 20 meus pais descobriram que eu fumava, eles não aceitaram e as discuções me deixaram muito alterado(extressado).
Minha irmã mais velha à pouco tempo antes passou por umas crises mentais e foi diagnosticada como bipolar..
Eles me levaram escondido ao mesmo lugar onde ela ficou internada.
Passaram vários remédios tarja preta pra mim.. Me recusei a tomar no início, daí eles me internaram num sítio de reabilitação..
Isso tudo afetou o meu humor e hoje tomo anti-depressivos.